20 de setembro de 2017

Mutations. João Fazenda (auto-edição)

Depois de Trama e Songs (e outras produções anteriores), João Fazenda retorna a esta espécie de balanço ou caderno de apontamentos anual com uma pequena colecção de desenhos. Faz todo o sentido que um desenhador da craveira de Fazenda procure, para além dos trabalhos mais articulados com propósitos específicos, projectos que nascem tão-somente de uma vontade de desenhar, unindo-o a grandes nomes do desenho em si, como Stuart de Carvalhais, Saul Steinberg, Paul Hogarth ou Topor, entre tantos outros, e os maravilhosos opúsculos, livros, livrinhos, tomos, colecções que deixaram para trás. E que não pareça uma hipérbole tamanha comparação, pois é com efeito o prazer e a verve do próprio desenho, da pesquisa e do encontro que dele nasce, que Mutations dá conta. (Mais)

19 de setembro de 2017

Onírico. Fabio Q (auto-edição)

Este pequeno fascículo de uma vintena de páginas pode ser lido como se se tratasse de um breve opúsculo de poesia. Tão-somente essa poesia emerge não apenas nas frases escritas à mão em curtíssimos parágrafos a cada página, mas na sua integração com as composições gráficas que carregam. Há uma voz na primeira pessoa, mas que se expressa por verbos conjugados, elidindo os traços de um pronome assertivo. As frases descrevem uma casa, as suas divisões, os espaços atravessados, as imagens revelam pequenos objectos que lhe pertencem: uma porta, uma chave, uma cadeira, alguns objectos naturais como troncos de árvore e montanhas, e peças de xadrez, que emerge como uma metáfora secundária desta travessia. (Mais)

Colaboração com Mattia Denisse. Marginália da Mesa J de "Duplo Vê".

Não deixando de ser uma extensão do trabalho tentado neste espaço, o nosso contributo para as "marginália" do projecto artístico de Mattia Denisse, Duplo Vê, que muito rapidamente se poderá descrever como uma instalação/espaço de várias linhas narrativas criadas por séries de desenhos, que se cruzam e contaminam mutuamente, está disponível no site do artista. Já havendo discutido alguns projectos de Denisse no passado, tendo sido o último o Compêndio de geometria clitoridiana, existem aqui toda uma série de elementos tipificados de uma exponenciação, com efeito, geométrica, da "narrativa gráfica". A sua "leitura" exige uma dedicação aturada, e por vezes uma compreensão precisa de assuntos que nos escapam, é certo, mas há nele intensidades que nos asseguram estar ali presente uma noção que perseguimos noutros objectos.

Poderão consultar directamente aqui.

8 de setembro de 2017

Colaboração no du9: Le collectionneur de Briques. Pedro Burgos

Foi hoje publicado no site du9.org a nossa resenha crítica a Le collectionneur de briques, de Pedro Burgos, pequena novela que estende, tematiza e narrativiza de uma forma mais convencional muita da matéria que havia explorado em Crónicas da Arquitectura. Este livro foi publicado em língua francesa e, até ao momento, não se adivinha edição portuguesa. 

Existindo uma oferta cada vez mais intensa de banda desenhada contemporânea de autores portugueses que se expressam em abordagens mais genéricas, convencionais e de grande público, o que é um passo importantíssimo em termos de circulação e diálogo, é importante não perder de vista, todavia, a possibilidade de dar continuidade a vozes cuja maturidade se vira para dimensões políticas e sociais que raramente são exploradas nesta linguagem. Afinal de contas, podemos ler O coleccionador de tijolos também como um retrato da sociedade portuguesa durante os anos da crise financeira, cujas repercussões se fizeram sentir em aspectos bem mais profundos do que se poderia imaginar à partida. O livro é, assim, apesar da sua superfície narrativa, uma espécie de mapa concentrado dos traumas das transformações operadas na cidade. E, dessa forma, Burgos entra em diálogo com uma tendência nestes discursos, assegurados por autores como Marco Mendes, Nuno Sousa, Pepedelrey, Joana Figueiredo e uns poucos outros.

O texto da crítica, em francês, encontra-se aqui, existindo uma versão inglesa, disponível no Yellow Fast & Crumble.

Nota final: agradecimentos ao autor, pela oferta do livro, e a Benoît Crucifix, pela tradução francesa. 

23 de agosto de 2017

Bruxas/Wytches. Scott Snyder e Jock (G. Floy)

A ideia de que toda uma sociedade sacrifique parte da sua felicidade momentânea e sempre imperfeita em nome de uma fortuna consequente, e por isso sempre “melhor”, não é de todo nova. Ainda que o famoso conto de Shirley Jackson, “The Lottery”, de 1946, se centre mais na ideia do bode expiatório, conta-se aí igualmente na ideia do preço, que se encontra no coração deste livro. Mas o bode expiatório convidaria à ideia de um pecado original e de uma forma de o expiar. Em Bruxas, explora-se antes a entrega total a um crime em nome de um ganho egoísta.

Como todo e qualquer bom projecto, e que permita com efeito leituras múltiplas a partir dos seus elementos (não basta dizer, contra a ideia popular, que qualquer obra de arte tem sentidos múltiplos, é preciso identificá-los e explicá-los), Bruxas pode ser lido, em vez de uma simples e empolgante novela em torno de uma família e o seu confronto com criaturas primais, como um livro sobre desejos, promessas e a capacidade dos seres humanos viverem com as suas fantasias mais negras. Mas também coloca o amor filial, a paternidade, a superação de obstáculos pessoais, na linha da frente. (Mais)

21 de agosto de 2017

Platinum End; vols 01 e 02. Tsugumi Ohba e Takeshi Obata (Devir)


De certa forma, podemos ler Platinum End como uma espécie de reverso de Death Note. Uma vez que um certo grau de maniqueísmo é uma assinatura dos autores, não nos admira que aqui haja uma transformação para o pólo “contrário” à famosa saga anterior. Em vez dos demónios ou deuses da morte, temos agora hierarquias de anjos em torno de (um) deus. Em vez da feiúra dos primeiros, temos a beleza etérea dos segundos (e que devem algo da sua forma física às personagens fantásticas do Cremaster de Matthew Barney). O seguimento mais ou menos próximo de vários sistemas de angeologia são muito secundários, tirando algumas referências básicas, já que a própria “moralidade” destas criaturas é tão matizada ou até indiferente como o era nos shinigami de Death Note: não são “más” nem “boas”, simplesmente têm papéis e tarefas a cumprir. E em vez de um jovem (Light Yagami) que ganha um artefacto de poderes sobrenaturais (um caderno escolar) interessado numa ideia de justiça que passa pela sua decisão pessoal em matar outras pessoas – ou seja, uma acção moralmente repreensível de acordo com os melhores princípios societais –, sublinhando um ego que vai crescendo, no caso de Platinum End seguimos outro jovem (Mirai Kakehashi) que ganha um artefacto de poderes sobrenaturais (as “asas” e as “espadas”), por ter sido seleccionado, mas que prefere a inacção do que interferir na vontade pessoal dos outros, mesmo que isso lhe custe a sua própria “vitória”. (Mais) 

18 de agosto de 2017

Monstress. Marjorie Liu e Sana Takeda (Saída de Emergência)

Monstress é uma bateria ou amálgama de géneros que, não tendo, possivelmente, um elemento propriamente original, produz uma combinação equilibrada e curiosa. Steampunk, fantasia épica e negra, histórias de monstros, Bildungsroman, ficção científica, ficção feminista, são os tijolos que montam a sua estrutura, sendo a argamassa uma pesquisa sobre a individualidade perante a cruel e abjecta injustiça da escravatura e do racismo provocadas pela guerra. Mas ao mesmo tempo espraia-se uma história centrada na senda de uma protagonista em torno de respostas sobre a sua família, que poderá ter consequências para o seu mundo em geral. (Mais)

17 de agosto de 2017

A casa. Paco Roca (Levoir)

Graças aos esforços da Levoir, a entrada de vários títulos da banda desenhada espanhola contemporânea no mercado português é uma realidade. Ainda que não haja, aparentemente, uma política concertada e ritmada dessa mesma entrada, a colecção das Novelas Gráficas, que vai na sua terceira fornada (à qual voltaremos), e volumes soltos, como é este caso, assegura essa oferta (corroborada, pelo menos, pela Arte de Autor; mais, o mesmo se poderia dizer da banda desenhada brasileira, pelas mãos da Polvo, por exemplo, e de nenhuma outra editora, maior ou menor que estas). Seria, mais uma vez, discutível qual o espectro dessa mesma oferta dada a pluralidade de produção do nosso país vizinho, que neste caso não se pode chamar irmão dado o largo desconhecimento do público geral do que tem surgido em Espanha (e nem encetaremos a relação contrária), mas estamos em crer que o foco da Levoir é, em si mesmo, coerente: autores interessados em discursos contemporâneos, autorais, muits vezes de narrativas pessoais e quotidianas, e menos interessados em géneros clássicos ou mesmo espectaculares, e atreitos a formas narrativas convencionais e acessíveis a um público alargado, não necessariamente fãs de “bd de género”, mas de toda uma sorte de literatura (o que incluirá outras formas mediáticas). (Mais)

14 de agosto de 2017

Miracleman. A Idade de Ouro. Neil Gaiman e Mark Buckingham (G. Floy)

Antes de mais, queríamos esclarecer a declaração de intenções, uma vez que, tendo sido os tradutores deste volume, somos parte interessada no projecto.

Dito isto, e na continuidade de alguns projectos da editora, que nos tem disponibilizado alguns dos melhores títulos do mainstream norte-americano contemporâneo (Saga, Fatale, Southern Bastards), e depois de uma edição com todo o run de Alan Moore (a que corresponderiam 3 livros), eis que se publica um volume com todo [v. comentários] o material criado e publicado na época por Neil Gaiman e Mark Buckingham, herdeiros imediatos do anterior autor, e seus múltiplos colaboradores artísticos. Como é consabido, o Miracleman, nas mãos de Moore et al., transformar-se-ia no principal cadinho e laboratório de cruzamentos de muitas das noções daquele autor britânico que tanto seriam influentes no seu próprio trabalho no território dos super-heróis como depois em todo este género, e a que se viria a dar muitos nomes, desde “desconstrutivismo”, a “pós-moderno”, até mesmo “maturidade” ou “revisionismo”. Não é que algum desses termos esteja errado, mas tampouco serão completos. Seja como for, é inegável que se encontrariam aí muitos dos elementos que depois se tornariam inevitáveis na esmagadora maioria da produção deste género. (Mais)

2 de agosto de 2017

Punk Comix/Corta-e-Cola. Marcos Farrajota/Afonso Cortez (Chili Com Carne/Thisco)


Parafraseando Frank Zappa a propósito do jazz, o “punk não está morto, mas já cheira um bocado mal”. Ou talvez não. Este projecto já estaria anunciado há algum tempo, com alguns sinais aqui e ali, por blogs, conversas e encontros de cariz de vária natureza, do mais académico ao mais descontraído, e com associações metastásicas por linhas paralelas que apenas o tempo dirá se se complementam, se se opõem ou simplesmente se atropelam. Seja como for, os esforços gémeos de Marcos Farrajota e de Afonso Cortez encontram aqui um caminho que se sustenta mutuamente num split-book, em que o primeiro ausculta as relações da noção cultural do “punk” com a banda desenhada em Portugal, e o segundo faz uma história variada do movimento musical entre nós, nos vinte anos que distam de 1978 a 1998. Por razões que têm a ver com a nossa própria especialidade e conhecimentos, falaremos apenas da “metade” de Farrajota, estando em crer que o livro de Cortez esteja na excelente linha de produções a que a editora tem presidido com o conjunto de ensaios sócio-culturais em torno de fenómenos musicais de Rui Eduardo Paes. (Aborrece-nos apenas recordar que o único vinil que tínhamos desta colheita, e que aparece citado, foi quebrado contra o chão por razões sem qualquer importância...) (Mais)