22 de Julho de 2014

The Congress. Filme de Ari Folman.

A relação entre este filme e o livro que lhe poderá ter dado origem, a saber, o magnífico Congresso futurológico, de Stanislaw Lem (que foi publicado em português num dos primeiros volumes da saudosa colecção de fc da Caminho), é da mesma ordem que entre Do Androids Dream of Electric Sheep? de Philip K. Dick e Blade Runner de Ridley Scott: menos do que uma adaptação, ou até de uma versão, ou sequer de uma transmediação, os textos literários acabam por ser antes uma bateria de conceitos, estruturas e estímulos para depois se tecerem novas histórias e desenvolvimentos. Logo, importa menos a ideia de “fidelidade” do que a “pertinência” ou mesmo a “força” desse aproveitamento. A questão, porém, é: ocorrerá essa força em The Congress? (Mais) 

17 de Julho de 2014

Propaganda. Joana Estrela (Panda Books)

Pelos vistos, um dos segredos bem guardados da cultura homossexual, que pode ser entendida como um monolito, é o facto “dele/as” usarem colheres para dissolver o açúcar no café. Isto de acordo com um artigo de jornalismo de investigação lituano que tentou entender as despesas de uma associação local. Além disso, graças igualmente aos esforços de ideólogos, conclui-se que, uma vez que os homossexuais não se conseguem procriar biologicamente, multiplicam-se através de propaganda, da qual fará arte, sem dúvida alguma, este livro. Pelo menos, de acordo com um político lituano, cujo nome é citado, mas que julgamos não ser importante para o cômputo da inteligência humana. (Mais)

15 de Julho de 2014

Something terrible. Dean Trippe (auto-edição)

Dean Trippe é um dos co-fundadores de um dos sites mais revisitados de quem segue algumas das mais interessantes discussões em torno do design de super-heróis, Project: Rooftop, de uma forma equilibradamente inteligente e fanática, sem a secura da primeira abordagem e sem a leitura acrítica da segunda. Enquanto ilustrador, Trippe parece devedor de uma linguagem simples e “limpa”, reminiscente de um encontro entre a banda desenhada mainstream de super-heróis dos anos 1950 (Carmine Infantino e Curt Swann acima de tudo?) e o streamlining da banda desenhada infantil da mesma época (como os das companhias Harvey ou Archie). Nesse sentido, é uma equação que teria dado os seus primeiros passos de recuperação com Bruce Timm e é uma família que incluirá por autores como Cameron Stewart, Darwyn Cooke, entre outros. Mas Something terrible é something different. (Mais) 

14 de Julho de 2014

Little Tommy Lost. Cole Closser (Koyama Press)

Desprevenidos, poder-se-ia pensar que este livro era uma reedição de uma qualquer tira obscura dos anos 1920, num formato pequeno e barato que recorda as da Fantagraphics dos anos 1990 (Dickie Dare ou Pogo). É claro que o selo da Koyama Press nos apontaria de imediato para uma qualquer tendência contemporânea, mas o interior do livro não tem nada a ver com as abordagens ultra-estilizadas de um Michael DeForge, Hellen Jo ou dos Tin Can Forest. Mas de que se trata Little Tommy Lost? Um exercício de imitação? Um pastiche? Uma homenagem? (Mais) 

12 de Julho de 2014

Colaboração no du9. Yekini, le roi des arènes, de Lisa Lugrin & Clément Xavier.

No site du9.org, encontrarão uma resenha crítica, relativamente curta (mas somente em francês e inglês), a um volume que é, a um só tempo, uma biografia de um lutador de laamb, uma luta corpo-a-corpo tradicional senegalesa, uma análise desse desporto e do seu papel sócio-cultural no país, do seu aproveitamento pelas forças financeiro-mediáticas e políticas,um Bildungsroman com laivos fantásticos, um livro de banda desenhada de reportagem e de viagem, e talvez uns quantos outros ingredientes. 

Desenhado de uma forma tão clássica como moderna, apesar das centenas de páginas trata-se de um texto fluido e comovente mesmo nalguns momentos.
Para aceder a ele, ver aqui.

11 de Julho de 2014

Hoje sinto-me... Madalena Moniz (Mini Orfeu)

Quando escrevemos sobre Children’s Picturebooks, de Salisbury e Styles, havíamos notado a presença de um projecto, à altura “escolar”, de Madalena Moniz. Na secção dos comentários correspondentes, a notícia de que o livro estaria a ser produzido para publicação pela Mini Orfeu não se fez esperar e aqui surge ele. A ideia de “escolar” não tem nada de pejorativo, tal qual o havíamos debatido no texto anterior, e é particularmente significativo, sobretudo para a instituição em si, que a qualidade dos livros produzidos no seio desses projectos apresentem desde logo características suficientemente musculadas que façam adivinhar a sua circulação mais alargada. Isso estava patente desde logo no livro de Moniz. (Mais) 

9 de Julho de 2014

F(r)icções. Nuno Duarte e João Sequeira (El Pep)

No nosso pequeno mercado, na inexistência mesmo da possibilidade de garantir a continuidade de géneros, formatos, colecções, etc., dada a volatilidade do público, a descoordenação dos canais de divulgação, e a falta de memória generalizada, e até mesmo por os esforços editoriais nem sempre serem recompensados da forma que mereceriam, todo e qualquer livro ou projecto surgirá como singular. E criar expectativas determinadas por trabalhos anteriores que servem como instrumento principal de leitura de um novo pode ser o caminho errado para a sua recepção livre de escolhos. Caso contrário, e perdoe-se o jeu de mots, criam-se fricçõesque de pouco servem. (Mais) 

5 de Julho de 2014

Baratão 69. Bruno Azevêdo e Luciano Irrthum (Beleléu/Pitomba)

Não deveremos jamais reduzir os livros às suas nacionalidades respectivas, ou lê-los somente sob a óptica das suas origens geográficas. No entanto, se discutimos a realidade inerente às aventuras da Turma da Mônica como pertencentes a uma deslocalização da cultura brasileira, necessária para o seu sucesso comercial alargado, e falámos do caso de alguns dos livros de Pedro Franz e outros autores como se ancorando na realidade hodierna do Brasil contemporâneo e politizado, talvez possamos dizer que Baratão 66 é uma espécie de reflexo, ainda que distorcido, de um Brasil do interior. Talvez menos conhecido em termos gerais, talvez mais pobre em termos materiais, mas vivo como uma pedra que se rola e sob a qual pululam insectos de toda a estirpe. (Mais) 

3 de Julho de 2014

Tiras do Baralho. André Oliveira e Pedro Carvalho (El Pep).

Este livro terá algumas afinidades, mesmo que longínquas, com os projectos da Oubapo, no sentido em que, menos do que tecer uma narrativa ou desdobrar um conceito de uma forma interna, se lança um desafio em responder a uma série de estritas regras estruturais e depois se tem de cumprir o exercício até ao fim. Além disso, as tiras procuram seguir igualmente as regras internas e clássicas da organização do humor nesse formato – cena, acção, clímax, remate -, se bem que pela sua disposição vertical até se aproxima mais da sua variante japonesa, a yonkoma. (Mais) 

30 de Junho de 2014

O lixo da história. Angeli (Companhia das Letras)

Entre os leitores portugueses, Angeli é sobretudo recordado pelos seus trabalhos dos anos 1980 com a Chiclete Com Banana, que marcou, pelo menos na óptica do que chegava por aqui (e tornada cega pela presença quase monolítica dos gibis da Abril), a viragem de uma nova banda desenhada brasileira, mais adulta, iconoclasta e mais sensível aos tempos de uma globalização crescente, sobretudo num sentido de referências comuns entre vários países. Se a expressão “tribos urbanas” é hoje vista como algo caricata e desusada, não o seria naquela época, e Angeli era, talvez de entre os seus companheiros mais próximos (Glauco e Laerte, com quem estremava os “Três Amigos”), aquele que melhor criou uma galeria dos seus representantes mais marcantes: de Rê Bordosa a Walter Ego, de Wood & Stock aos Skrotinhos, de Bibelô a Bob Cuspe. No Brasil, porém, a associação do seu nome aos cartoons políticos, ou como é dito no Brasil, charges, é algo consolidado há longa data, uma vez que o autor trabalha para a Folha de São Paulo desde 1973. (Mais)